HISTÓRIA – A VIAGEM INESQUECÍVEL DE ANA

010.gif

Ana era uma moça que trabalhava muito,  mas quando estava de férias ela aproveitava para viajar e conhecer novos lugares. Então,  em uma dessas oportunidades,  ela fez uma viagem inesquecível, a um país muito longe daqui. Nesse lugar tinham um costume, e todo o povo cumpria esse costume;  não era lei, mas um hábito tão comum que quem não fazia, é que parecia ser estranho. Era assim...  eu vou contar:

Todos usavam chapéus muito coloridos todos os dias não importando se fazia sol ou se fazia chuva, se era inverno ou verão, se era noite ou dia. Não importava se iam trabalhar ou passear, se era velório ou se era aniversário. Isso era tão comum ver aquelas mulheres saindo para seu trabalho com enormes chapelões cheios de cores carregando seus filhos indo para creche e as criancinhas com chapéus, às vezes maiores do que a cabecinha delas. Até os homens daquela cidade andavam com aqueles enormes chapéus coloridos totalmente desproporcionais a roupa que usavam, mas alguns tentavam combinar com a cor da gravata que estavam usando.

E quando Ana passeava por lá teve logo que se habituar, pois se sentia um peixe fora d’água. Então ela entrou em uma loja para comprar um e se deparou com o enorme estoque de chapéus e uma enorme variedade de modelos e tamanhos, mas o que mais chamou a atenção dela era o colorido. Todos com cores vibrantes que saltavam os olhos, então perguntou ao vendedor se não teria ali um modelo mais sóbrio com menos cores.

Um preto, por exemplo,  para usar em uma noite de gala ou numa noite especial, mas o vendedor a olhou de cima em baixo e com ar de estranheza lhe respondeu;

-Minha senhora, me desculpe, mas aqui e em todo o lugar que procurar isso não vai encontrar .

Então Ana, sem alternativa, saiu dali com meia dúzia para pelo menos poder variar.

Ela sentou-se no banco da praça e ao seu lado sentou-se uma senhora que com um largo sorriso lhe cumprimentou:

– Boa tarde! a senhora ta passeando por aqui ?

Ana respondeu que sim , mas que estava achando os hábitos daquele lugar muito diferentes e queria entender a razão de tudo isso , porque tantos usam chapéus, e de onde veio essa tradição?

E a mulher respondeu:

- Olha é uma estória muito antiga, na verdade até eu me esqueci, meu tataravô que contou pro meu bisavô, que contou pro meu avô e contou pro meu pai, que contou pra mim, mas agora eu nem me lembro mais... eu era tão pequenina, mas o importante é que a gente segue a tradição do nosso povo e ta muito bom assim.

Ana ficou inconformada. Saiu dali e foi perguntando a todos que ia encontrando e conhecendo. Cada um tinha uma estória diferente, mas que em resumo eram estórias alegres e bonitas, mas sem fundamento.

Então Ana foi para o quarto do hotel sentindo-se frustrada e pensava assim: "como esse povo é tolo!" quando sentou a beira de sua cama deparou-se com a sua Bíblia aberta no livro de salmos sobre a penteadeira e se chocou com a sua atitude tão tola quanto a daquele povo,  e se perguntou porque tinha mantido esse livro aberto se nem o lia nem o seguia? (Alguém, algum dia tinha dito a ela que era bom.) Por que orar as mesmas palavras de manha e de noite? Por que ir à igreja como se fosse uma obrigação?

Ela não sabia responder.

Então, pegou a bíblia e começou a folhear e repensou sobre a sua vida e se lembrou de que quando era criança sua mãe falava da importância da Palavra de Deus e de Jesus - que ela o havia aceitado como seu absoluto salvador  na infância, mas o havia abandonado e preferiu seguir apenas costumes e tradições que foram entrando em sua vida e sem perceber a afastou de Deus. Ela  percebeu que estava sendo tão tola quanto aquele povo de chapéus coloridos .

Então Ana leu na Bíblia a carta aos  COLOSSENSES 2:8, que dizia assim ;

‘Cuidado que ninguém vos venha a enredar com a sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos o mundo e não segundo Cristo."

Ana entendeu que quando nós recebemos de Deus a salvação temos que ter o cuidado de não deixar a nossa vida cristã se tornar uma tradição ou um costume, mas devemos viver a cada dia cumprindo sim tudo o que aprendemos na bíblia, com amor e com alegria, sabendo que isso agrada a Deus e que essa seja a nossa intenção -  glorificar a Deus com nossas vidas .

Então a Ana, naquele dia se reconciliou com Deus, se arrependeu de todo o tempo que andou longe da boa e agradável vontade de Deus , e quando saiu do hotel sem chapéu,  é claro, sentiu-se diferente das pessoas mas, não porque não usava um chapéu colorido, o que fazia a grande diferença em sua vida agora era JESUS .

ROM 6;4 " De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida."

autora: Mirian Maria de Oliveira

2 comentários:

  1. Oi, passei pra conhecer seu blog, e desejar boa semana

    bjs

    aguardo sua visita :)

    ResponderExcluir
  2. Olá Juliana!! Estou passando mais uma vez para te dizer q acompanho os teus blogs e que eles são fantástico, tem me ajudado de mais por isso quero te agradecer e pedir a Deus q continue te capacitando cada vez mais...bjs fika na paz

    Sandra

    ResponderExcluir

Seu comentário contribuirá muito para a continuidade deste trabalho.
Obrigado!!!

Juliana Olivencia